ANUNCIE AQUI 01

ENTRE EM CONTATO COM A EQUIPE DO BLOG PELA A PAGINA CONTATO E ANUNCIE EM NOSSO SITE!

ANUNCIE AQUI 02

ENTRE EM CONTATO COM A EQUIPE DO BLOG PELA A PAGINA CONTATO E ANUNCIE EM NOSSO SITE!

ANUNCIE AQUI 03

ENTRE EM CONTATO COM A EQUIPE DO BLOG PELA A PAGINA CONTATO E ANUNCIE EM NOSSO SITE!

ANUNCIE AQUI 04

ENTRE EM CONTATO COM A EQUIPE DO BLOG PELA A PAGINA CONTATO E ANUNCIE EM NOSSO SITE!

ANUNCIE AQUI 05

ENTRE EM CONTATO COM A EQUIPE DO BLOG PELA A PAGINA CONTATO E ANUNCIE EM NOSSO SITE!

Deputados, prefeitos, vereadores e lideranças do MA consolidam apoio a Flávio Dino

Todos pelo Maranhão: Líder nas pesquisas, Dino conta com o apoio maçico da classe política do estado.
Todos pelo Maranhão: Líder nas pesquisas, Dino conta com o apoio maciço da classe política do estado.
Nas últimas semanas, dezenas de deputados, prefeitos, vereadores e lideranças políticas das 217 cidades do Maranhão consolidaram apoio à candidatura do oposicionista Flávio Dino (PCdoB) para comandar o Palácio dos Leões a partir de janeiro de 2015.
A vinte dias das eleições, Flávio Dino lidera absoluto em todas as pesquisas de intenções de votos já divulgadas. Números de consumo interno da Escutec e das coligações dos candidatos à presidência da República mostram o ex-presidente da Embratur com uma vantagem superior a 25 pontos percentuais.
O candidato da coligação Todos pelo Maranhão tem recebido manifestações de apoio em todo os municípios do estado. Esse movimento, portanto, deve se intensificar nos próximos dias, com a adesão de forças políticas de vários partidos – inclusive dos que dão sustentação à chapa de Edinho Lobão (PMDB), que representa o projeto de continuidade da oligarquia Sarney.
Entre as lideranças da coligação adversária que aderiram formalmente à campanha de Flávio Dino estão os deputados estaduais Edson Araújo (PSL) e Hélio Soares (PMDB); os prefeitos Dr. Francisco (Presidente Dutra), Arlindo Andrade (Fortuna), Nilsinho Garcia (Palmeirândia) e Flávio Furtado (Duque Bacelar), além de diversos ex-prefeitos, vice-prefeitos e vereadores.
Também são esperadas declarações de apoio de mais parlamentares, gestores municipais (inclusive da Região Metropolitana de São Luís), câmaras de vereadores inteiras e de um importante ex-candidato a governador.

Do: http://marrapa.com/

Acusado de receber propina, Lobão faz campanha no jatinho de Ilson Mateus

wilson mateus
Recepção calorosa: Lobão chegou à Balsas no jatinho da Tocantins Participações e Empreendimentos LTDA, do empresário Ilson Mateus.
Em meio às denúncias de corrupção na Petrobras, o ministro Edison Lobão aproveita a licença forçada do ministério de Minas e Energia — por imposição da presidente Dilma Rousseff (PT) — para mergulhar de cabeça na campanha do filho, o candidato a governador do Maranhão, Edinho Lobão (PMDB).
Arrolado pelo delator Paulo Roberto Costa como um dos beneficiários do esquema que sangrou os cofres da petrolífera brasileira, Lobão desembarcou na manhã desta quinta-feira em Balsas, a bordo de um jatinho pertencente ao milionário Ilson Mateus, dono da rede de supermercados Mateus.
Pela ‘calorosa recepção’, não deve ser nada empolgante o clima da campanha de Edinho Lobão no sul do estado. Em um recente programa eleitoral, o candidato da oligarquia Sarney fez ataques ao município administrado pelo prefeito Luiz Rocha Filho (PSB), numa clara tentativa de atingir o adversário Flávio Dino (PCdoB).

Do: http://marrapa.com/

Fundo de Participação dos Municípios de São Luís Gonzaga


FPM

Dados do Fundo de Participação dos Municípios de São Luís Gonzaga deste ano fornecido pelo Secretaria do Tesouro Nacional, do ministério da Fazenda:

Município: São Luís Gonzaga do Maranhão
UF: MA
Ano: 2014
MêsFPMITRIOFLC 87/96LC 87/96-1579CIDEFEXFUNDEFFUNDEBTotal
01
964.257,03525,500,00717,320,003.007,0111.133,220,001.465.089,252.444.729,33
02
1.030.086,2749,760,00717,320,000,000,000,002.416.940,283.447.793,63
03
611.042,0912,930,000,000,000,000,000,001.282.639,181.893.694,20
04
697.217,7880,490,00717,320,000,000,000,001.279.640,981.977.656,57
05
928.013,7561,400,00717,320,000,000,000,002.483.902,693.412.695,16
06
695.950,42113,570,00717,320,000,000,000,001.310.829,852.007.611,16
07
597.733,36570,530,00717,320,000,000,000,001.230.469,441.829.490,65
08
726.144,33285,190,00717,320,000,000,000,001.331.107,862.058.254,70
6.250.445,031.699,370,005.021,240,003.007,0111.133,220,0012.800.619,5319.071.925,40

7 de Setembro.

Eu proprietário desse blog, fui prestigiar o desfile de 7 de setembro em minha cidade natal, Barra do Corda, por sinal uma grande festa cívica muito bonita. E de lá eu trouxe esta imagem para dedicar aos governantes de São Luis Gonzaga. Em especial ao legislativo, porque o prefeito nem aqui mora.  

Ex-diretor da Petrobrás envolve Roseana e Lobão como beneficiários de esquema de corrupção.


Congresso em Foco

A edição da revista VEJA que começou a circular neste sábado traz a relação de políticos (confira abaixo) que, segundo a semanal, foram apontados pelo ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa como beneficiários de um esquema de corrupção na estatal operado por ele em sua passagem pela diretoria de Abastecimento, entre 2004 e 2012. Os nomes remetem a aliados das duas candidatas que lideram as pesquisas eleitorais para a Presidência da República, Dilma Rousseff (PT) e Marina Silva (PSB).

A relação dos citados pelo ex-executivo vai dos atuais presidentes da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) – dois dos principais aliados de Dilma no Congresso – até o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB), morto em um desastre aéreo no último dia 13 e de quem Marina era candidata a vice-presidente. A participação de cada um dos mencionados ainda será objeto de investigação.

Nos depoimentos que prestou até agora à Justiça, por meio da chamada delação premiada – acordo que prevê a redução da pena do acusado em caso de colaboração efetiva com as investigações –, Paulo Roberto apontou o envolvimento dos seguintes políticos no desvio de dinheiro público da estatal:

Edison Lobão (PMDB) – ministro das Minas e Energia

João Vaccari Neto (PT) – secretário nacional de finanças do partido

Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), presidente da Câmara

Renan Calheiros (PMDB-AL), presidente do Senado

Ciro Nogueira (PP-PI), senador e presidente nacional do partido

Romero Jucá (PMDB-RR), senador e ex-líder dos governos FHC, Lula e Dilma

Cândido Vaccarezza (PT-SP), deputado federal

João Pizzolatti (PP-SC), deputado federal

Mario Negromonte (PP), ex-ministro das Cidades, ex-deputado e atual conselheiro do TCM-BA

Sergio Cabral (PMDB), ex-governador do Rio de Janeiro

Roseana Sarney (PMDB), governadora do Maranhão

Eduardo Campos (PSB), ex-governador de Pernambuco e ex-candidato à Presidência, morto no dia 13 de agosto em um desastre aéreo.

Segundo a revista Veja, Paulo Roberto entregou, ao todo, os nomes de três governadores (considerando-se aí a atual governadora Roseana Sarney e os ex-governadores Sergio Cabral e Eduardo Campos), um ministro (Edison Lobão), um ex-ministro (Mário Negromonte), seis senadores e 25 deputados, além do secretário de finanças do PT. O ex-diretor da Petrobras também confirma que houve pagamento de propina no negócio que resultou na polêmica compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos. O prejuízo bilionário para a empresa brasileira com a compra da unidade norte-americana motivou a instalação da CPI da Petrobras.

O esquema partia de grandes empresas – a maior citada por ele é a Camargo Corrêa – que, para fechar contratos milionários com a Petrobras, transferiam parte do lucro a funcionários da estatal, a partidos da base do governo e a políticos. Estes, antes de receber, tinham o dinheiro lavado por doleiros.

De acordo com Paulo Roberto, relata Veja, algumas das maiores empreiteiras do país, como a Camargo Corrêa, participavam do esquema. Segundo o ex-diretor contou, elas transferiam parte do lucro a funcionários da estatal, a partidos e políticos da base aliada para fechar contratos milionários com a Petrobras. Antes de chegar ao destino final, o dinheiro era lavado por doleiro, diz a revista.

Os números dos envolvidos pelo ex-diretor no esquema operado e, agora, delatado por ele variam conforme a apuração. Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, Paulo Roberto disse que 32 parlamentares, um governador e cinco partidos políticos recebiam 3% de comissão sobre o valor de cada contrato da estatal no período em que ele comandava a diretoria de Abastecimento. O único nome mencionado na reportagem do Estadão é o do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

De acordo com a Folha de S. Paulo, 61 congressistas e pelo menos um governador receberam dinheiro desviado da empresa. A  exemplo de Veja, a Folha cita o envolvimento direto de três partidos da base de Dilma: PT, PMDB e PP.

Por envolverem parlamentares e ministro de Estado, os depoimentos serão remetidos ao Supremo Tribunal Federal (STF), responsável por andar andamento e julgar processos contra autoridades federais. Réu em duas ações penais – uma sobre ocultação e destruição de documentos e outra sobre corrupção –, o ex-diretor da Petrobras aceitou a delação premiada para escapar de uma pena que poderia chegar a 50 anos.

Um dos principais alvos da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, Paulo Roberto é acusado de ter recebido propina e de participar de um esquema de lavagem de dinheiro e evasão de divisas que teria movimentado cerca de R$ 10 bilhões. Ele está preso em Curitiba, mas, pelo acordo firmado, deverá ser posto em liberdade com uma tornozeleira assim que concluir a série de depoimentos.

Forte: Revista VEJA
Edmilson Moura.

O DESAFIO DA CORRUPÇÃO

Vários temas sobre a corrupção são abordados em um brilhante artigo do advogado Abdon Marinho.
Por Abdon Marinho

Talvez de todos os problemas nacionais, a corrupção seja o mais grave. Em recente debate entre os presidenciáveis, a presidente-candidata exibiu números dando conta que a Polícia Federal, de 2003 até os dias de hoje, já fez milhares de ações de combate a corrupção. É verdade o que disse, assim como é verdade que poderia ter feito muito mais ações se não sofresse, assim como todo o serviço público, com a falta de estrutura. Vemos que apesar das operações policiais de combate ao crime, das leis mais severas, do fato de tudo que se faz ser praticamente à luz do dia, a corrupção não cessa. Os adversários chegaram a dizer, inclusive, é que há mais ação policial porque há muito mais corrupção no governo. E isso, também, é verdade. Nos últimos anos a corrupção no Brasil aumentou a ponto de a termos como uma instituição. É comum se ouvir que alguém pagou tanto de propina para esse ou para aquele servidor ou agente político. Ninguém pede segredo ao dizer que quem negocia as emendas de determinado parlamentar é o assessor fulano de tal ou que o parlamentar sicrano não aceita receber menos de 30% (trinta por cento) desta ou daquela indicação.

No Maranhão não é diferente, tanto que o que causou entranheza a alguns, na denúncia de malas pretas circulando nas madrugadas de um famoso hotel da cidade, no rescaldo da operação que prendeu o doleiro Youssef, não foi o fato em si, e sim o valor que apareceu de comissão no negócio: 5% (cinco por cento). Ouvi de mais uma pessoa, com indisfarçável ironia: Só cinco por cento? Não acredito nesta história, nunca a “taxa” foi só neste percentual. Tudo isso dito com a naturalidade de quem pede uma cerveja numa mesa de bar.

A corrupção chegou a um estágio tal que os próprios corruptores, os empresários, que cresceram e floresceram, oferecendo propinas a uns e outros começam a reclamar pelos cantos dizendo que não aguentam mais, que não têm como fazerem as obras contratadas e pagar os achaques a que são submetidos. A “taxa”, dizem, está além do suportável.

Nestas eleições o que mais tenho ouvido são pessoas se dizendo preocupadas não com a escolha deste ou daquele candidato pela população e sim, se esse ou aquele vai dar força no seu governo para pessoas com largo histórico de corrupção. Olham, não só para os candidatos, mas também para as forças que os cercam e demonstram receio.

Em matéria de corrupção, só não acredito que tenhamos atingido o limite porque sempre inovam em alguma coisa. Os recursos públicos não são suficientes para realizar as obras necessárias a população, mas servem para enricar os políticos. Essa é a visão de grande parcela da população e não é uma visão errada. Quanto não são os políticos brasileiros que entravaram na vida pública sem nada, “puxando a cachorrinha” e saíram “podres de rico”?

Proprietários de verdadeiros impérios? São inúmeros os casos, ninguém sequer consegue contar. Muitos passam os mandatos e não entregam uma obra de valia e, quando entregam alguma coisa é mal feita, custou o triplo do preço, sagraram os cofres públicos.

A corrupção se alastra por todos os cantos. Todos os poderes. Todo o serviço público. Não faz tempo era comum se ouvir que deputado fulano pretendia ocupar um um cargo no executivo para poder enricar. Hoje se ouve, também o contrário, que fulano ao invés de executivo, deseja ser parlamentar porque o “dele” é “limpo”, não tem preocupação nenhuma, só recebe e pronto.

E os demais poderes, estão imunes a isso? Claro que não. Dizem, até, com uma ponta de inveja ou ironia, que nos demais é que a “coisa” rola solta e com destemor. São notas aqui e ali que ninguém investiga, que não amedronta mais ninguém é que até levam na pilhéria como uma que li outro dia dando conta que gestores ou ex-gestores saiam de determinado local carregados de dinheiro ou com pendências resolvidas ou com promessas de solução, conforme fossem os resultados das urnas. É algo sério, muito sério, só comparável a informação de que se plantam os problemas para venderem – a peso de ouro –, as soluções. Dizem onde é, passam as características, fazem o retrato falado e é como se nada acontecesse. Nem sei se é verdade. Mas o silêncio obsequioso de todos – ou quase todos –, atesta que sim.

Os futuros governantes, que a cada campanha dizem que vão combater sem trégua a corrupção, precisam ir além das palavras. Para que o Brasil e o Maranhão saiam deste círculo vicioso faz-se necessário que formem governos competentes e honestos. Escolher auxiliares que não se deixem seduzir com o apelo do dinheiro fácil ou do enriquecimento sem causa. Esse será o primeiro desafio dos próximos governantes que estiverem comprometidos com um país e um estado mais justo.

A política – pela ação dos seu agentes –, foi sendo criminalizada ao longo dos anos. Nestes últimos se tornou uma atividade que as pessoas sérias repudiam. O que vemos são os mesmos políticos de sempre sem compromisso algum e muitos deles por não preencherem os requisitos necessários a se candidatarem colocam os parentes, filhos, esposas, noras, sobrinhos, amantes, qualquer um que se sujeite ao papel de preposto.

Hoje a política do estado, e acho que do país está cheia de dobradinhas de partes, pais e filhos, netos, como a passar o poder de pai para filho. O serviço público, o mandato , como negócio de família.

Ao momento em que isso ocorre, estadistas, homens com espírito público, pessoas com serviços prestados aos estados, aos municípios e a nação tornaram-se escassos na vida política brasileira. Em seu lugar, tomaram e preparam-se para tomar assento, uma “arraia miúda” que nada fizeram, nunca deram um prego numa barra de sabão e que estão famintos, ansiosos para roubarem os recursos da sociedade.

Neste contexto que a missão dos futuros governantes se torna mais desafiadora. Romper com o círculo de corrupção num ambiente onde os malfeitores estão fortalecidos e com um número bem maior de adeptos.

Faz-se necessário que se resgate para as funções do serviço público pessoas comprometidas, sérias, com espírito público e competentes a ponto de não se deixarem seduzir ou enganar. Entregar os negócios do Estado a estes que nada fizeram, além de enriquecerem nos cargos públicos, é o caminho mais fácil e rápido para o fracasso.

Abdon Marinho é advogado eleitoral.

E sou admirador do DR. Abdon Marinho
Edmilson Moura.

Imagens do dia.




Esse trio elétrico de propriedade do prefeito local, mesmo depois de ser notificado pela justiça eleitoral por está irregular, o mesmo continua desafiando a justiça, colocando o seu trio palanque, nas ruas da cidade com seu som estremecendo até os telhados das casas. Será que isto não caracteriza crime de desobediência judicial?      

Decisão Judicial










Fantástico mostra aliados de Edinho Lobão comprando votos

Zito Rolim e Edinho Lobão: prefeito de Codó foi pego com a boca na botija.
Zito Rolim, Ricardo Archer, Edinho Lobão e Glaubert Cutrim: prefeito de Codó foi pego com a boca na botija.
Em reportagem exibida há pouco, o Fantástico denunciou dois prefeitos maranhenses investigados por compra de votos nas eleições passadas.
Um deles é Zito Rolim (PV), do município de Codó, que recentemente foi absolvido pelo Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão da acusação de abuso de poder político na campanha eleitoral de 2012.
O programa mostrou imagens em que o prefeito tira a mão do bolso e cumprimenta um eleitor. E se afasta. É quando o homem, contente, estica o que parece ser uma nota de dinheiro.
Cristiane Damião: Coação em troca de votos.
Cristiane Damião ao lado de Arnaldo Melo, Edinho e Edison Lobão: Coação e ameaças de desapropriação em troca de votos.
Comenta-se nos bastidores da política local que a absolvição Rolim custou a promessa de oito mil votos para um parente de magistrado, irmão de um prefeito da Grande Ilha e candidato a deputado estadual pelo PRB.
Em Bom Jesus das Selvas, a então candidata a prefeita, Cristiane Damião (PTdoB), ameaçou desapropriar eleitores que invadiram as terras pertencentes à sua família. Uma mulher revelou à reportagem que Cristiane prometeu o lote em troca de votos. 
Os dois gestores, curiosamente, são aliados de Edinho Lobão (PMDB) e, recentemente, participaram dos atos de campanha do candidato a governador apoiado pelo grupo Sarney.
Agora está explicada a urgência do governo Roseana Sarney em liberar os bilhões em recursos do BNDES aos prefeitos alinhados, por meio do famigerado Fundema.


Do: http://marrapa.com/

FLÁVIO DINO TEM 42%, EDINHO LOBÃO, 30%, ASSIM DIZ O IBOPE.


A pesquisa foi realizada em 67 municípios e ouviu 1.204 eleitores.

06/09/2014 19h07 - Atualizado em 07/09/2014 08:50 
                     
O instituto IBOPE -um dos maiores institutos de pesquisa do Brasil, divulgou na noite deste sábado dia 06 de setembro de 2014, os números sobre a disputa ao Governo do Maranhão. A pesquisa eleitoral que aponta Flávio Dino (PCdoB) com 42%, e Edinho Lobão (PMDB) com 30% das intenções de voto. A pesquisa foi realizada em 67 municípios e ouviu entre os dias 1 a 5 de setembro 1.204 eleitores.

Os candidatos Antonio Pedrosa (PSOL), 2%, Professor Josivaldo (PCB) 1%, Saulo Arcangeli (PSTU) 1% e Ze luis Lago ( PPL)1%, pela corrida para o Governo do Maranhão.

Os votos brancos e nulos correspondem a 5%, não sabem e não responderam 18%. A margem de erro foi de três pontos percentuais para mais ou para menos.

Pois é Flavio Dino possuir 42% das intenções de voto, contra 35% da soma das menções aos demais candidatos, não é possível afirmar neste momento se a disputa se concluiria ou não no primeiro turno, dado o percentual expressivo de indecisos (18%).

Essa é a primeira pesquisa do IBOPE  para o Governo do Maranhão realizada nesta eleição, por isso não é possível comparar a evolução do desempenho dos candidatos.

 pesquisa realizada pelo o IBOPE e foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE), sob o nº MA-00040/2014, e contratada pela TV Mirante, filial da Rede Globo. E vale ressaltar que a margem de erro é de 3 pontos percentuais, para mais ou para menos e o intervalo de confiança é de 95%, ou menos.

E Confira abaixo os números pesquisa:

- Flávio Dino (PCdoB): 42%
- Edinho Lobão (PMDB): 30%
- Antônio Pedrosa (PSOL): 2%
- Professor Josivaldo (PCB): 1%
- Saulo Arcangeli (PSTU): 1%
- Zeluis Lago (PPL): 1%

Rebelde Solitário
Eleições 2014
Edmilson Moura.